• Milena Pontes

Homens no ballet clássico: O desenvolvimento e a nova safra da escola australiana.

Updated: Aug 28, 2018


Esqueça os surfistas, nadadores ou jogadores de futebol. Na última década uma nova safra de bailarinos produzidos na Australia está se tornando referência para todo o mundo do ballet. 



“A vida de um bailarino é uma jornada de grande resistência física e mental. Suave  para voar pelo ar sem esforço, mas ainda exigente para se certificar que sua partner faça o mesmo. Estou muito orgulhoso de fazer parte do património desta história de sucesso australiano. Estamos ansiosos para estender o sucesso dos nossos meninos de ballet para o futuro!” David McAllister, diretor artístico do Ballet australiano (e ex-bailarino)







Criado por homens e para homens;


Durante o Renascimento na Europa, a dança era vista como uma graça social necessária sem distinção para homens e mulheres. Os homens faziam todos os saltos, giros e grandes sequências, enquanto as damas da corte eram vestidas para impressionar. Seus vestidos eram feitos a partir do mais pesados veludos e incrustado com tantas jóias quanto a família de cada bailarino pudesse pagar. Não eram raros os desmaios devido ao peso da roupa.

 Todos os cortesãos tinham aulas rígidas de dança diariamente. Os passos eram simples, mas os padrões na forma de pisar e o gestos foram cuidadosamente lapidados com regras de boas maneiras. E não havia espaço para improvisos, caso o cortesão não fosse exato em seus movimentos ele perderia o respeito dos outros bailarinos e o importante acesso ao rei. 

 Paris particularmente tornou-se o centro de todas as graças sociais. O tribunal francês também era notado pela elegância de seus entretenimentos judiciais, especialmente os de Louis XIV. Seu reinado é lembrado por seu gosto pela dança, tanto que ele insistiu que todos os que assistissem sua corte deveria se tornar dançarino, e assim viria a fundar a primeira academia de dança de ballet permitindo a evoluir para uma verdadeira arte teatral. Ele produziu os primeiros bailarinos profissionais sendo todos homens - mesmo nos papéis femininos. 


 Românticos e sonhadores -  acessórios de suas sílfides;

 Até o início do século 19, o romantismo encheu os palcos da Europa com sílfides e outras criaturas sobrenaturais etéreas, enquanto os homens se tornaram os românticos  sonhadores. Eles estavam prontos para sacrificar suas vidas pelo seu ideal romântico, e isso foi levando a figura masculina a interpretações secundárias, ou um pouco mais que adereços para suas parceiras.

Embora seja muito importante lembrar que dos poucos que  encontraram a fama durante este período, principalmente os coreógrafos mais bem sucedidos e professores que eram homens.


 Até o final do século 19 o centro do ballet tinha se mudado para a Rússia, onde a formação superior e as maravilhosas criações de Marius Petipa, e mais tarde Mikhail Fokine, em breve ajudariam a re-emergência de grandes estrelas do sexo masculino. Quando Vaslav Nijinski e Adolf Bolm saltaram para o estrelato internacional em Paris com Ballets Russes de Diaghilev, que restaurou o verdadeiro lugar dos homens na dança no ano de1909.


Na Austrália

A dança masculina demorou algum tempo para ganhar uma posição na Austrália. Mas, ocasionalmente, uma dançarina famosa faria uma turnê na Austrália e excitaria os homens e mulheres com a magia de sua dança, como Pavlova fez em todo o mundo.

 E levado por esta inspiração um jovem dançarino da comédia musical chamado Robert Helpmann partiu para a Inglaterra e se tornou líder do ballet naquele país. Para ser um dançarino de ballet clássico em sua época, era inevitável viajar para outros países porque ainda não existiam companhias na Austrália.

 Edouard Borovansky foi o homem que mudou tudo isso. Ele era da Checoslováquia e visitou a Austrália pela primeira vez com a Pavlova em turnê e depois com o Ballets Russes, então com a eclosão da Segunda Guerra Mundial na Europa, ele decidiu ficar em Melbourne e iniciar uma escola e empresa para dançarinos australianos que significava que finalmente haveria um objetivo, uma razão para continuar com os estudos de dança. 



 Hoje, o número de meninos que estudam dança por toda Austrália é maior do que nunca e a concorrência é extremamente intensa para a admissão na Escola do Australian Ballet e outras instituições de formação. Após a formatura, esses jovens têm agora a oportunidade de participar de uma das mais de 20 companhias de dança profissionais na Austrália. Em todo o mundo, dançarinos australianos são valorizados e respeitados não apenas para sua fisicalidade, atletismo e perícia técnica, mas também pela sua sensibilidade e sua arte.

A dança masculina segue viva e muito bem por lá.

Ballet também é o seu assunto favorito?

 

 Inscreva-se para receber as novidades. 

© 2015 Tutu4Love| Ballet e Ponto.