• Milena Pontes

Quem é quem? História do ballet para iniciantes.

Atualizado: 19 de Set de 2018



Você já se sentiu perdido em conversas ou fatos sobre a dança clássica?
 Hoje se fala muito em começar a prática do ballet em qualquer idade e o quanto conhecer um pouco mais sobre a história dessa arte tão fascinante nos inspira e colabora para o desenvolvimento da compreensão técnica dos movimentos. 
 Este é um panorama geral para nenhum iniciante se sentir tão perdido em uma conversa sobre ballet. Conheça brevemente a história de algumas personalidades que  fizeram a diferença no mundo da dança.

Marie Taglioni (1804-1884)



 A primeira bailarina a subir em uma sapatilha de ponta! Ela era muito popular durante o "culto da bailarina", ou o período marcado pelo Ballet Romântico. Seu desempenho no ballet La Sylphide lhe rendeu uma notoriedade ímpar.  Ela foi ensinada por seu pai, Filippo Taglioni, sendo  também quem projetou suas primeiras sapatilhas de ponta. Dançou para a Ópera de Paris e consolidou o estilo gracioso, sobrenatural e etéreo. Sua maior rival era Fanny Elssler.





Fanny Elssler (1810-1884)


Elssler foi uma bailarina considerada exótica e sensual para os padrões da época. Chegou à fama ao mesmo tempo que Taglioni, porém se destacou por ter outros atributos em sua dança, como a precisão com que realizava passos pequenos e rápidos com uma interpretação dramática excepcional.  Ela também dançou para a Opéra de Paris, mas quebrou seu contrato com eles no  fim da turnê na América, o que trouxe ainda mais fama e dinheiro.







Marius Petipa (1818-1910)


"O Pai do ballet clássico". Dançarino francês, ele começou o treinamento com o seu pai, mas não gostava muito de dançar. Finalmente, sua formação técnica e suas obras o levaram para trabalhar na Rússia e o colocaram como o melhor mestre na formação do ballet clássico e desempenho. Petipa (que era o Ballet Mestre Premier do Imperial Theatre começando em 1869) tinha uma fórmula  para a apresentar seus ballets, que mostraram além da técnica ao contar uma história. Seu nome está em mais de 60 ballets completos (incluindo A Bela Adormecida, Coppélia e O Lago dos Cisnes). Ele colocou dançarinos em linhas diagonais ou paralelas usando o palco em seu pleno potencial. E também é conhecido por ter dado uma atenção especial a  cada pás de deux . Em 1903, seu classicismo foi considerado "antiquado", e ele foi forçado a se aposentar após não obter grandes resultados com a montagem do ballet The Magic Mirror. 

 Petipa é considerado um dos maiores coreógrafos de todos os tempos. Seu classicismo é a união da pureza da escola francesa e o virtuosismo italiano. 


Sergei Diaghilev (1872-1929)

O cérebro por trás do Les Ballets Russes, Diaghilev era um administrador fantástico. Ele trouxe ballets de um ato para o público de massa em vários países, e reuniu artistas de várias origens para trabalhar em seus ballets. Por exemplo, Leon Bakst, Pablo Picasso e Henri Matisse ajudaram a criar  belos desenhos em conjunto, enquanto Igor Stravinsky, Sergei Prokofiev, Maurice Ravel, Claude Debussy e Erik Satie criaram novas pontuações para os dançarinos executarem. Ele também descobriu e alimentou muitos coreógrafos que começaram com Diaghilev Ballet Russes antes da transição para as carreiras solo, o que também ajudou a formar a dança como a conhecemos hoje. Por exemplo; Vaslav Nijinsky, Bronislava Nijinsky, Mikhail Fokine, Leonide Massine e George Balanchine todos trabalharam com Diaghilev antes de se tornarem seus "próprios nomes" na dança.  Contribuiu trazendo a dança masculina de volta ao palco de uma  nova maneira. Ele não dançava, mas foi  produtor, colaborador, fanático  por artes e  empresário.


Anna Pavlova (1881-1931)

Anna Pavlova bailarina russa, é conhecida como a "mais bailarina famosa de todos os tempos". Ela estudou com a Escola Imperial de Ballet do Teatro Mariinsky, e em 1899 obteve uma formação clássica de alto nível. Serge Diaghilev levou Anna Pavlova para Paris e Londres em uma excursão com o Ballet Russes, que lhe deu um gosto do estrelato e da independência. 

Ela trouxe ao ballet  uma vasta audiência em suas turnês incluindo o público americano, que tinha pouca ou nenhuma proximidade com o ballet clássico, e logo muitas crianças queriam se tornar-se bailarinos profissionais depois de ver ou ouvir falar de Anna Pavlova. Conhecida principalmente por sua performance em “A morte dos Cisne”  coreografado para ela por Mikhail Fokine em 1905.


Mikhail Fokine (1880-1942)

Bailarino russo que influenciou a história do Ballet Clássico no século XX como coreógrafo. Ele estudou com a Escola de Ballet Imperial (hoje conhecida como Vaganova Ballet Academy) e fez sua estréia no palco em seu aniversário de 18 anos. Ele foi o coreógrafo chefe de Diaghilev Ballet Russes de 1909 a 1914, criando ballets  como: O Pássaro de Fogo e Petrushka. Estudou música e pintura também, e inspirado pela dançarina moderna Isadora Duncan se aproximou da dança com uma nova visão, mesclando idéias clássicas com ideias de “dança livre" o que ajudou a moldar o ballet  e reunir idéias clássicas com mímica e expressão dramática. Se mudou para Nova York para trabalhar  com o American Ballet Theatre onde tinha a reputação entre os dançarinos de ser "extremamente irritado" com "nenhum controle de seu temperamento”. 


Vaslav Nijinsky (1890-1950)

Nijinsky nasceu enquanto seus pais,  célebres dançarinos, estavam em turnê. Bailarino russo estudou primeiro com seu pai  e depois com a Escola Imperial de Ballet aos 8 anos. Tornou-se conhecido por seus saltos espectaculares e passou para a posição de solista no  Mariinsky Theatre em 1907. Ele também foi performer convidado com Teatro Bolshoi em Moscou, onde foi muito bem sucedido. 

 Juntou-se ao Ballet Russes de Diaghilev em 1909 e dançou sob a direção de Mikhail Fokine, até Diaghilev promovê-lo a coreógrafo. Seus trabalhos foram muitas vezes chocantes para o público devido ao material e a dança que não parecia em nada com o ballet clássico. Aos 29 anos  foi diagnosticado como esquizofrenia e logo se aposentou dos palco.


Enrico Cecchetti (1850-1928)


Dançarino italiano (dançou com o Ballet Imperial em St. Petersburg na Rússia), coreógrafo e fundador do método Cecchetti. Ele originou os papéis do Pássaro Azul e Carabosse no ballet de Petipa: A Bela Adormecida.

 Mais tarde, deu aulas em toda a Europa. Quando Diaghilev levou sua companhia de ballet para turnê, os bailarinos não queriam deixar o treinamento de Cecchetti. Diaghilev então  contratou  Cecchetti para entrar em turnê junto com eles, decisão que ajudou a manter a superioridade técnica dos dançarinos. Mais tarde, ele se estabeleceu em Londres. 

 O método Cecchetti tem uma rotina extremamente rígida e exercícios diários focados em trabalhar os músculos necessários para executar as posições e movimentos tecnicamente desafiadores.


August Bournonville (1805-1879)

Dançarino e coreógrafo dinamarquês, ele treinou com o francês Jean Georges Noverre. Iniciou um estilo único de ballet principalmente por ignorar a mentalidade excessiva da coreografia vista na era romântica.

A Escola Bournonville é conhecida por dar  atenção igual aos dançarinos masculinos e femininos, em uma época em que  tudo era pensando para evidenciar a bailarina. Enquanto outros ballets retratam as emoções, Bournonville focava em pés rápidos, saltos, e frases  fluídas.



O Ballet tem uma história vibrante, e estes são apenas alguns dos grandes nomes. Quando  assistimos a um  ballet no palco, estamos espreitando por trás da história, em um vislumbre do trabalho árduo que foi passado através de gerações de bailarinos e coreógrafos.

0 visualização

Ballet também é o seu assunto favorito?

 

 Inscreva-se para receber as novidades. 

© 2015 Tutu4Love | Ballet e Ponto.