• Milena Pontes

Ballet nas ruas! Conheça o trabalho do JR

Updated: Jul 2, 2018

Há algum tempo fotos das obras do artista plástico JR estão se espalhando pelas redes, e alguns até duvidam se a enorme bailarina Chalotte Ranson estampada em um prédio em NY (2nd Avenue and 1 street)  não passa de uma montagem. 


Fui procurar saber qual era a projeto por trás daquelas imagens compartilhadas sem nenhuma legenda mais “informativa”… Lá vai -  recomendo assistir a todos os links são projetos complementares que mostram o ballet de diversas maneiras e em diferentes cenários. 

 JR começou a trabalhar com bailarinos em 2014, quando o New York City Ballet encomendou ao artista a criação de uma  grande instalação envolvendo os bailarinos da empresa que foram fotografados interagindo com papel - seu meio favorito criando uma enorme trompe l'oeil com a representação de um olho formado pelos corpo entrelaçados.  A partir das imagens uma grande colagem foi feita também nas janelas dianteiras da Koch Theater David H at Lincoln Center durante três noites especiais.



O trabalho foi um sucesso tão grande que Peter Martins (chefe master do NYCB) o convidou para criar uma obra de dança para a empresa.

"Foi a primeira vez que tinham deixado um não-coreógrafo assumir o palco, então para mim foi uma grande responsabilidade."  disse JR.

Essa foi uma grande oportunidade para  estabelecer uma ponte entre o mundo do ballet e suas próprias origens como o graffiti e outras artes de rua.


Seu ballet Les Bosquets (baseado em torno das manifestações de 2005 em Paris) estreou no Lincoln Center em 29 de abril de 2014. 


Outro projeto  relacionado a este mesmo ballet também surgiu a partir do convite feito aos bailarinos de prestígio do Ballet Ópera de Paris para o subúrbio de Monfermeil  para filmar um curta-metragem com contribuições músicais de Pharrell Williams, Hans Zimmer e compositor francês Woodkid como cortesia. 

"Quando eu trouxe as bailarinas para o bairro, as pessoas estavam bastante curiosas, apesar de serem tímidos demais para falar com as meninas", explica JR. "Eles olharam para os bailarinos como se tivessem vindo do espaço."



Ironicamente a própria escola  está perto de Monfermeil, ainda há pouco contato entre seu corpo discente e os seus vizinhos menos privilegiados. 


"Os dançarinos da escola não tinha compreensão de como é a vida do lado de fora. Por isso, foi realmente uma grande experiência para que eles sejam capazes de dançar no bairro mais tenso da França."
Esses tipos de interações sociais são, por JR, o maior trabalho. "Definitivamente, para mim, a arte é o processo", diz ele. "Cada vez que eu penso que a obra foi concluída, é realmente apenas o começo.”

Sendo assim imagino que teremos atualizações neste post em breve.

Ballet também é o seu assunto favorito?

 

 Inscreva-se para receber as novidades. 

© 2015 Tutu4Love| Ballet e Ponto.