• Milena Pontes

Ballet contra a lei - O cenário da ilegalidade da dança no Irã.

Atualizado: 23 de Set de 2018


Certa vez ouvi de uma amiga  que : “Poder dançar é uma dádiva, um presente pelo qual devemos ser muito gratos”. 

Sempre há mais por agradecer do que  reclamar, eu realmente acredito nisso! 

 Te convido a conhecer uma outra realidade, muito diferente da que vivemos aqui no Brasil, mas que nos une pelo amor a dança.  -  A ilegalidade do ballet no Irã. 

“Não é apenas a dança que é proibida no Irã; qualquer música que faz com que seu corpo se mova de forma espontânea é considerada pecaminosa.” (Ada - nome fictício)

 A história do ballet no Irã começou em 1928, quando Madame Cornelli, uma imigrante russa que fugiu da revolução Bolchevique, começou a ensinar ballet em Teerã. Ela foi seguida por Madame Yelena (Avedisian) e Sarkis Djanbazian que, respectivamente em 1933 e 1938 organizaram aulas de dança na cidade de Tabriz e Qazvin. Estes recém chegados expandiram o cenário europeu da dança mantendo performances e aulas de vários estilos, incluindo ballet clássico, dança popular européia entre outras…


A Companhia Nacional Iraniana de Ballet foi desenvolvida para se tornar a mais famosa instituição cultural do país e logo várias produções da Companhia foram realizadas em eventos oficiais e funções na presença da família real e convidados dignitários nacionais e internacionais. A companhia então mudou-se para o Roudaki Opera Hall após a sua conclusão em 1967. Estabeleceu - se também uma estreita colaboração com as instituições de dança na União Soviética, Estados Unidos e Europa. O Royal Ballet, Royal Academy of Dance, Ballet Bolshoi, American Ballet Theatre eram partes de um vasto programa cultural  e de intercâmbio entre as empresas.


Em dezembro 1978 e janeiro de 1979, a situação política do país tornou-se cada vez mais instável. Quase todos os membros estrangeiros da empresa deixaram o Irã e os dançarinos empregados foram informados de que não seriam demitidos até um aviso do novo governo. 

Eventualmente, uma reunião foi organizada em Bagh-e Manzariyeh no norte de Teerã logo após a revolução vitoriosa na presença da força de trabalho do Roudaki Hall e aiatolá Mohammad Mofatteh; e quando lhe foi perguntado sobre o destino de ballet no Irã, ele respondeu irado e em termos inequívocos que a relação entre República Islâmica e o ballet é paradoxal e contraditória. A  Companhia Nacional de Bailado foi formalmente declarada como dissolvida em 1979, tendo sua última produção realizada no Roudaki Opera Hall  durante o outono de 1978 com A Bela Adormecida.  

Logo os  iranianos ficaram com três opções: Desistir do trabalho de sua vida e encontrar outra maneira de se sustentar; deixar o Irã e reviver a empresa em outro lugar (Les Ballets Persans está atualmente operando a partir de Estocolmo), ou ficar no Irã e através de uma combinação de subterfúgio, suborno e nenhum direito, e continuar dançando.


Ballet underground

 Mesmo ilegal no estado do oriente Médio, isso não impediu que os professores de ballet renegados e estudantes de realizarem aulas em segredo.

 Ada (nome fictício) contou recentemente ao site “The Observer" sobre sua primeira aula em Teerã  que só foi possível depois de  participar de  fóruns online,  ligar para números misteriosos e buscar colaborações de amigos como referências de caráter para finalmente ganhar a entrada para as classes secretas.

 Lendo sobre a história de Ada é impossível não refletir sobre os momentos em que estamos ocupados reclamando por futilidades  quando ela tem que manter suas aulas de dança em segredo de seus pais e da polícia  especialmente se os professores não pagarem um suborno grande o suficiente, e ainda correr o risco de  ser pressa ou ser expulsa da universidade.

A maior parte destas aulas são ministradas em porões, hospitais ou prédios abandonados, ou silenciosamente na casa do professor que frequentemente  conta  a batida para os dançarinos, ao invés de arriscar a reprodução da música e alertar os vizinhos.

 Ada relembra também as palavras de um antigo professor  sobre a ameaça constante de uma intervenção:
"A qualquer momento há uma chance da polícia chegar e prender todos nós”. "Eu continuo dizendo a meus alunos que eu não posso garantir sua segurança. No entanto, tento ser muito cuidadoso. Eu aceito somente os estudantes que foram encaminhados por outros alunos. E não tento preencher todas as minhas horas com publicidade, como alguns outros professores que distribuem cartões de visita na rua. "

 Anunciar as classes é um ato de equilíbrio delicado. Pouca promoção leva a aulas vazias, enquanto que o excesso pode atrair o tipo errado de atenção. 

 Algumas coisas mudaram depois da eleição de Hassan Rohani, em 2013. Há mais chances de realizar espetáculos por exemplo mas é preciso desembolsar uma grande quantia para isso. Este compromisso informal foi alcançado depois de décadas de empurrões entre fundamentalismo islâmico e relutância do público iraniano para caracterizar a dança como pecaminosa. Este novo regime “pague para dançar” parece ser  bom para o desenvolvimento de dançarinos iranianos mas o  regime ainda está se beneficiando em não ter uma fronteira clara entre o que é legal e  ilegal e isso torna mais difícil desafiá-los principalmente quando maioria do povo vive uma vida ainda mais limitada, tentando ficar longe do perigo.

 Ambiguidade e medo continuam sendo as maneiras mais fáceis de controlar as pessoas! 

 Há algo inerentemente absurdo sobre a idéia de que alguém  praticando qualquer repertório clássico seja pecaminoso. Mas até que isso seja reconhecido pelo governo iraniano, Ada e seus parceiros de dança devem continuar a ver cada pequena apresentação pública como um triunfo na batalha maior para manter ballet vivo no Irã.

Por ser o mundo do ballet uma cena  "subterrânea" não há nenhuma supervisão ou normas reguladas pelo Estado que os instrutores têm de aderir. Isto leva algumas pessoas se autodenominarem profissionais embora saibam muito pouco, o que é perigoso pois nessas aulas as crianças podem se  machucar seriamente com o  uso de  sapatilhas de ponta inadequadamente. E como podemos imaginar não há um piso adequado barras ou espelhos e os certificados entregues no final desses cursos, na maioria dos casos, não têm qualquer valor.

 

A resistência feminina em forma de sapatilhas de ballet.

Emma Goldman disse uma vez: "Se eu não posso dançar, eu não quero ser parte de sua revolução." 


Há uma mulher corajosa, que  está usando o poder da mídia social para divulgar as sapatilhas coloridas que produz. Muito mais do que mostrar aos dançarinos a disponibilidade do produto e suas habilidades está é uma forma de dizer  que a arte da dança de alguma forma ainda está viva no Irã.

Admiro os detalhes das sapatilhas vibrantes e sua bravura, pois hoje a maioria dos sapateiros de dança do Irã fugiram para outros países. No entanto ela permaneceu e contribui para tornar-los disponíveis para aqueles que se atrevem a dança

A dança é uma expressão silenciosa pluralista do movimento no Irã e estas almas criativas não estão apenas dançando para si, mas contra um governo opressor.

"Tudo no universo tem um ritmo, tudo dança. "  (Maya Angelou) 

-  Logo, proibido  deveria ser não dançar. 


Inspiração cinematográfica.

Desert Dancer pelo cineasta Richard Raymond é baseado na história verdadeira de Ghaffarian e seus amigos, que formam um grupo de dança subterrânea em um prédio abandonado. Elaheh é bailarino principal do grupo. Escolarizados secretamente por sua mãe bailarina, ela ajuda a coreografar seqüências que criticam o regime.

 Decidem então performar para um público pequeno no deserto, o único lugar intocado por políciais militares do Irã, ou assim eles pensam. Mas a polícia os encontram e  prendem Afshin, que por pura sorte escapa. Porém sua vida no Irã torna-se insustentável. 

Suas observações definem o cenário para o filme que puxa a cortina sobre o mundo secreto do Irã, onde jovens vestem roupas ocidentais e dançam longe dos olhos da polícia.

Outros filmes já usaram da dança para narrativas semelhantes.

 Um deles, é o drama de 1980  "O Sol da meia noite", onde o dançarino Soviético Nikolai Rodchenko é interpretado pelo incrível bailarino Mikhail Baryshnikov. No filme há uma sequência de dança em que Rodchenko se apresenta em particular em um teatro em Moscou e exala sua dor e frustração contra o totalitarismo soviético.

 A dança é também o principal recurso no filme Step Up Revolution. Novamente a narrativa é simples: Jovens americanos dançam  como forma de protesto contra um rico empresário que quer desenvolver o seu bairro histórico. As sequências de dança são explosivas e  expressam a luta contra a injustiça social.

Mas como a dança se eleva acima das palavras e se conecta com o público?

"Há uma parte de dança que fala apenas diretamente, visceralmente às emoções, ao subconsciente" "Enquanto houver a intenção por trás do movimento comprometido, ele vai comunicar". (coreógrafo Kimmie Dobbs)

 Este é definitivamente o caso em filmes como Desert Dancer, onde a dança relega as palavras e se torna a narrativa.










fontes: The globe and mail / Frontline- www.psb.org / Broadly - www.vicechannels.com / www.theobserves.com / www.Reddit/ ballet.com / Voice of America - www.voanews.com/  Youtube.com.br

92 visualizações

Ballet também é o seu assunto favorito?

 

 Inscreva-se para receber as novidades. 

© 2015 Tutu4Love | Ballet e Ponto.